Sábado
01 de Outubro de 2022 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Newsletter

Agradecemos por sua visita, aguardamos suas sugestões e ou consultas.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
EURO 5,29 5,29
DOLAR 5,41 5,41

Previsão do tempo

Hoje - Vitória, ES

Máx
25ºC
Min
20ºC
Nublado

Domingo - Vitória, ES

Máx
29ºC
Min
20ºC
Chuvas Isoladas

Segunda-feira - Vitória...

Máx
26ºC
Min
21ºC
Chuvas Isoladas

Terça-feira - Vitória,...

Máx
28ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Venda Nova do Imi...

Máx
20ºC
Min
14ºC
Nublado

Domingo - Venda Nova do ...

Máx
25ºC
Min
14ºC
Chuvas Isoladas

Segunda-feira - Venda No...

Máx
23ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Terça-feira - Venda Nov...

Máx
27ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Castelo, ES

Máx
26ºC
Min
16ºC
Nublado

Domingo - Castelo, ES

Máx
30ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Segunda-feira - Castelo,...

Máx
23ºC
Min
20ºC
Chuvas Isoladas

Terça-feira - Castelo, ...

Máx
31ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

STF reitera inconstitucionalidade de normas estaduais que autorizavam porte de armas para procuradores

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) invalidou normas do Tocantins e de Mato Grosso do Sul que autorizavam o porte de arma para membros da Procuradoria-Geral daqueles estados. Na sessão virtual encerrada em 5/8, o colegiado julgou procedente o pedido formulado pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, respectivamente, nas Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs) 6974 e 6980. Em ambos os casos, a decisão foi tomada por unanimidade, nos termos do voto do relator, ministro Luís Roberto Barroso.Material bélicoSegundo o relator, o Supremo tem jurisprudência pacífica no sentido de reconhecer a inconstitucionalidade de leis estaduais que versem sobre material bélico, pois o artigo 22, inciso XXI, da Constituição Federal, é claro ao estabelecer a competência privativa da União para legislar sobre esse tipo de produto, gênero do qual as armas fazem parte.Além disso, com base na competência privativa da União para autorizar e fiscalizar a produção e o comércio de material bélico, foi editado o Estatuto de Desarmamento (Lei 10.826/2003). De acordo com o ministro, o artigo 6º do estatuto lista as categorias excepcionadas da regra geral que proíbe o porte de armas em todo o território nacional, e, entre elas, não estão os procuradores dos estados. "Normas que versam sobre armamento são de interesse geral, porquanto impactam a segurança de toda a sociedade e não se limitam às fronteiras dos estados", ressaltou.NormasNo caso do Tocantins, o Plenário derrubou o artigo 40, inciso V, da Lei Complementar estadual 20/1999. Quanto a Mato Grosso do Sul, foi declarada a inconstitucionalidade da expressão “o porte de arma”, contida no artigo 101, inciso II, da Lei Complementar estadual 95/2001.Leia mais:8/9/2021 - Normas que concedem porte de arma a procuradores de estado são questionadas no STFProcesso relacionado: ADI 6974Processo relacionado: ADI 6980
15/08/2022 (00:00)

Contate-nos

Escritório de Advocacia e Consultoria

Rua Aureo Machado  608  Térreo
-  São Miguel
 -  Castelo / ES
-  CEP: 29360-000
+55 (28) 998855395
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  2589278
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.