Terça-feira
20 de Abril de 2021 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Newsletter

Agradecemos por sua visita, aguardamos suas sugestões e ou consultas.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,57 5,58
EURO 6,70 6,71

Previsão do tempo

Hoje - Vitória, ES

Máx
30ºC
Min
23ºC
Instável

Quarta-feira - Vitória,...

Máx
31ºC
Min
24ºC
Instável

Quinta-feira - Vitória,...

Máx
29ºC
Min
22ºC
Chuvas Isoladas

Sexta-feira - Vitória, ...

Máx
29ºC
Min
22ºC
Chuvas Isoladas

Hoje - Venda Nova do Imi...

Máx
29ºC
Min
21ºC
Instável

Quarta-feira - Venda Nov...

Máx
30ºC
Min
21ºC
Instável

Quinta-feira - Venda Nov...

Máx
27ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Sexta-feira - Venda Nova...

Máx
26ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Castelo, ES

Máx
30ºC
Min
18ºC
Instável

Quarta-feira - Castelo, ...

Máx
31ºC
Min
15ºC
Instável

Quinta-feira - Castelo, ...

Máx
31ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Sexta-feira - Castelo, E...

Máx
29ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Sexta Turma vê falha em reconhecimento fotográfico e absolve homem condenado por roubo

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) absolveu um homem acusado de roubo a uma residência em Macaé (RJ), devido à falha no processo de reconhecimento fotográfico do suspeito. Para o colegiado, o reconhecimento não seguiu as formalidades mínim​as exigidas pelo artigo 226 do Código de Processo Penal (CPP). As vítimas disseram ter identificado o suspeito no vídeo que registrou outro roubo na vizinhança, dias depois. Na sequência, fizeram o reconhecimento na polícia, por meio de fotografia, mas não o confirmaram em juízo.O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) manteve a sentença condenatória e fixou a pena em sete anos. O pedido de absolvição da defesa foi negado sob a justificativa de que o não reconhecimento pessoal do acusado em juízo seria compreensível diante do longo tempo decorrido entre o roubo (2014) e a audiência (2019).Segundo o relator do habeas corpus impetrado no STJ, ministro Nefi Cordeiro, a fundamentação da condenação – embasada somente em reconhecimento fotográfico, não confirmado em juízo nem corroborado por outras provas – não se mostra suficientemente robusta, sendo cabível a absolvição do réu, conforme precedentes do tribunal. Etapa antecedenteO ministro destacou julgado da Sexta Turma segundo o qual o reconhecimento falho, que não cumpra as exigências do artigo 226 do CPP, é imprestável para embasar uma eventual condenação. Segundo ele, o reconhecimento fotográfico deve ser apenas uma etapa antecedente ao reconhecimento presencial, não podendo servir como prova no processo.Ao conceder o habeas corpus e absolver o réu, Nefi Cordeiro concluiu que, "inexistindo outros elementos suficientes, mormente porque no sistema acusatório, adotado no processo penal brasileiro, é ônus da acusação provar que o denunciado praticou as elementares do tipo penal, cabível a absolvição, consoante a jurisprudência desta corte".Leia o acórdão.Veja também:Sexta Turma rechaça condenação baseada em reconhecimento que não seguiu procedimento legal​
24/02/2021 (00:00)

Contate-nos

Escritório de Advocacia e Consultoria

Rua Aureo Machado  608  Térreo
-  São Miguel
 -  Castelo / ES
-  CEP: 29360-000
+55 (28) 998855395
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  1952283
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.