Sexta-feira
03 de Dezembro de 2021 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Newsletter

Agradecemos por sua visita, aguardamos suas sugestões e ou consultas.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,63 5,63
EURO 6,38 6,38

Previsão do tempo

Hoje - Vitória, ES

Máx
28ºC
Min
22ºC
Parcialmente Nublado

Sábado - Vitória, ES

Máx
26ºC
Min
22ºC
Chuva

Domingo - Vitória, ES

Máx
28ºC
Min
22ºC
Chuvas Isoladas

Segunda-feira - Vitória...

Máx
28ºC
Min
21ºC
Chuva

Hoje - Venda Nova do Imi...

Máx
25ºC
Min
18ºC
Chuva

Sábado - Venda Nova do ...

Máx
21ºC
Min
19ºC
Chuva

Domingo - Venda Nova do ...

Máx
23ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Segunda-feira - Venda No...

Máx
24ºC
Min
17ºC
Nublado

Hoje - Castelo, ES

Máx
25ºC
Min
19ºC
Chuva

Sábado - Castelo, ES

Máx
24ºC
Min
20ºC
Chuva

Domingo - Castelo, ES

Máx
27ºC
Min
19ºC
Chuvas Isoladas

Segunda-feira - Castelo,...

Máx
28ºC
Min
19ºC
Nublado

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Mantida decisão que exigiu licença ambiental para antena da Oi em Tocantins

​Por unanimidade, a Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou provimento a recurso especial da empresa de telefonia Oi Móvel S/A contra decisão que a obrigou a providenciar licença ambiental para uma Estação Rádio-Base (ERB) localizada no município de Ananás (TO). As ERBs são estruturas compostas por antenas e transmissores que fazem a conexão entre os telefones celulares e a companhia.O caso teve início em ação proposta pelo Ministério Público do Tocantins contra a Oi, a partir de notificação do Naturatins, órgão ambiental do estado. De acordo com o órgão, o processo para a renovação da licença havia sido arquivado devido ao descumprimento de notificações por parte da Oi.Em primeiro grau, uma liminar determinou que a operadora apresentasse em 45 dias toda a documentação necessária ao desarquivamento do processo, sob pena de multa diária.Normas não proíbem licença ambiental localA empresa recorreu, argumentando que a Lei 6.938/1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, e a Resolução 237/1997 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) dispensam a obtenção de licença ambiental para instalação e operação das ERBs. Afirmou ainda que tinha autorizações para exercer suas atividades, expedidas pelo município e pela Anatel. No entanto, o Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO) considerou que as normas citadas não proíbem a concessão de licenças pelos órgãos locais, como o Naturatins. Para o TJTO, o artigo 7º da Lei 13.116/2015 não afasta a necessidade de obtenção de licenças junto aos órgãos públicos locais, inclusive os ambientais. Além disso, a autorização dada pelo município não seria licença ambiental, mas apenas um alvará de funcionamento, condicionado ao cumprimento das exigências legais em vigor. Também foram rejeitados os embargos de declaração nos quais a empresa alegou omissão do TJTO por não ter apreciado todos os argumentos e provas apresentados.No recurso dirigido ao STJ, a operadora apontou violação de vários dispositivos de lei federal, sustentando que a ERB não exige licenciamento ambiental, porque não seria atividade poluidora, e que compete unicamente à União, por meio da Anatel, regular e fiscalizar os serviços de telecomunicações. Não é cabível recurso especial contra decisão liminarAo analisar o pedido da Oi, a ministra Assusete Magalhães, relatora, entendeu que não houve omissão da corte local, pois todas as questões necessárias à solução da controvérsia foram analisadas de forma completa e fundamentada.Além disso, a ministra considerou que "a recorrente apontou violação a vários dispositivos legais que dizem respeito ao mérito da causa, deixando de fazê-lo quanto a eventual contrariedade a normas legais concernentes à tutela de urgência deferida".Segundo ela, "não é cabível recurso especial contra deferimento de medida antecipatória/liminar, quando se indicam como violados dispositivos relacionados ao próprio mérito da ação originária". Isso porque – esclareceu –, na análise da liminar, "esses dispositivos legais apenas são submetidos a juízo precário de verossimilhança", o qual pode vir a ser confirmado ou revogado na sentença definitiva de mérito.Por outro lado – continuou a relatora –, rever os critérios adotados para a concessão da liminar exigiria reexame das provas, o que não é possível em recurso especial (Súmula 7).Leia o acórdão no REsp 1.931.014.
19/10/2021 (00:00)

Contate-nos

Escritório de Advocacia e Consultoria

Rua Aureo Machado  608  Térreo
-  São Miguel
 -  Castelo / ES
-  CEP: 29360-000
+55 (28) 998855395
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  2186656
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.